Discrepâncias fetoplacentárias

Mosaicismos confinados à placenta, associados a transtornos do crescimento intrauterino

Dependendo de quando e em que fase do desenvolvimento embrionário ocorre a divisão cromossómica anómala, os diferentes tecidos (fetais e/ou extra fetais) podem ser afetados por ela.

A Fig. 1a apresenta um exemplo de um mosaicismo confinado à placenta que pode conduzir a um resultado falso-positivo ou, melhor, a um resultado de teste discordante: aqui, o feto não é afetado pela anomalia cromossómica e os procedimentos de diagnóstico invasivos revelariam um cariótipo normal. No entanto, os mosaicismos confinados à placenta podem ser também clinicamente relevantes pois podem estar associados à restrição do crescimento intraunterino.

A Fig. 1b apresenta a distribuição do mosaico de uma alteração cromossómica que afeta apenas o feto e não a placenta. Neste caso, o resultado do teste seria provavelmente falso-negativo. Existem ainda poucos dados relativos à frequência com que tais discrepâncias fetoplacentárias ocorrem. Wegner e Stumm reportam que em 1-2% das vilosidades coriónicas analisadas foi possível detetar os mosaicismos confinados à placenta

 

Esquerda: Fig. 1a / Direita: Fig. 1b

 

 

Apesar do elevado grau de precisão dos testes pré-natais não invasivos, poderá haver resultados discordantes. No caso de um resultado negativo, no contexto de todas as análises clínicas relevantes, e tendo sido dadas as explicações adequadas à grávida, não é recomendado fazer um testes invasivo. No entanto, os resultados dos testes positivos devem ser esclarecidos por meio de métodos invasivos de diagnóstico, de acordo com as recomendações das sociedades médicas.

 

 

top